Conflito 2

Em que momento sua história precisa começar

Ao começar a desenvolver uma história, é importante considerar qual será o primeiro ponto de virada do enredo, ou seja, o momento em que um determinado acontecimento vai provocar uma reação do protagonista, despertar nele um desejo e dar para o leitor um senso da direção que a narrativa vai seguir.

O começo de uma história é tudo o que acontece e todas as informações compartilhadas com o leitor antes do primeiro ponto de virada.

Tais informações são importantes porque serão as referências do leitor para interpretar tudo o que acontece a partir da perspectiva do protagonista. Então, ao considerar onde sua história deve iniciar, pense nas informações que você precisa incluir no texto para criar um pano de fundo que ajude o leitor a imaginar, ainda que não possa entender completamente, o impacto de tal acontecimento no personagem.

Por exemplo, se o primeiro ponto de virada de uma história consiste na descoberta do protagonista que ele tem uma doença terminal e que lhe restam poucos meses de vida, o que determina a direção que a narrativa vai tomar é a interpretação do personagem sobre tal acontecimento. Qual a primeira coisa que passa pela cabeça desse homem ao escutar essa notícia? Os filhos que ele não verá crescer? A preocupação com sua mãe idosa, que não terá quem cuide dela? Os projetos profissionais que ele não terá tempo de realizar?

Cada uma dessas perguntas sugere o desenvolvimento de uma história diferente e exige que a narrativa comece de uma forma particular, fornecendo informações sobre o universo da história para que, no momento em que o leitor se deparar com o primeiro ponto de virada, ele possa entender seu significado na vida do personagem, empatizar com seu drama e, assim, se envolver com a história.

Portanto, a essência de um ponto de virada não é o acontecimento externo que provoca uma reação do personagem, mas sim sua interpretação sobre tal acontecimento no contexto de sua vida.

Essa interpretação é o que chamamos de conflito da história, que será o grande motivador de mudança de atitude do personagem. A reação do protagonista a esse primeiro ponto de virada nos dá pistas sobre o conflito pessoal, psicológico ou social que será desenvolvido ao longo do enredo.

Entender que desejo o conflito despertou no personagem é importante para que possamos interpretar tudo o que acontece na história a partir da perspectiva dele. É isso o que nos permitirá empatizar com esse personagem e nos ajudará a sentir o que ele sente, gerando envolvimento com a história.

Aqui, vale reforçar a diferença entre obstáculos e conflitos. Um obstáculo é uma dificuldade, desafio, problema ou limitação que impede alguém de alcançar um objetivo concreto. Por exemplo, se cheguei no aeroporto atrasado e estou prestes a perder meu voo, um obstáculo é o detector de metais seguir apitando toda vez que passo.⁣ Um conflito é o significado pessoal que alguém dá para um obstáculo. Por exemplo, se não quero perder meu voo mas os seguranças do aeroporto não me liberam, um possível conflito é chegar atrasado no casamento da minha melhor amiga.

Conflito é a percepção de que existem obstáculos nos impedindo de alcançar um desejo, é a frustração criada por uma situação que aumenta a distância entre como as coisas estão e como gostaríamos que elas estivessem. ⁣Obstáculos são acontecimentos externos que podem ser excitantes e inesperados, mas são como fogos de artifício: explodem e logo desaparecem.

Se você escreve um texto apenas com obstáculos, o leitor é uma mera testemunha do que está acontecendo e, portanto, seu envolvimento com os personagens é limitado.

 

Ao transformar obstáculos em conflitos, você cria um contexto para ajudar o leitor a enxergar o que acontece na história a partir do ponto de vista do protagonista, gerando empatia com o personagem.⁣

Um ponto de virada pode introduzir tanto uma mudança positiva quanto uma mudança negativa na vida do personagem mas, em ambos os casos, essa mudança precisa ser significativa. É crucial que esse acontecimento coloque algo em risco na vida mental, pessoal e/ou social do personagem.

Um copo de água que um homem derruba no sofá não causa um problema significativo na sua vida. Mas se esse mesmo copo cair sobre seu computador e destruir o arquivo com a apresentação que ele precisa entregar para o chefe no dia seguinte, neste caso temos um ponto de virada, já que esse acontecimento provoca no personagem uma reação imediata e exige que ele decida o que fazer agora, não amanhã, na semana que vem ou no mês que vem.

Essa “virada” que tal mudança introduz na vida do protagonista é como um desvio de rota inesperado que o personagem é obrigado a fazer. Ele vinha dirigindo em uma estrada reta e relativamente previsível, mas agora ele precisa fazer um desvio de rota. O desejo do personagem de voltar para a estrada reta e conhecida é o motor da história, é o que cria tensão e abre possibilidade para você desenvolver o conflito ao longo do enredo, nos mostrando as diversas tentativas do personagem para alcançar seu objetivo.

Isso não significa que o primeiro ponto de virada precisa trazer uma mudança grandiosa e espetacular para a vida do protagonista. O acontecimento externo é menos importante que o significado que ele dá para tal acontecimento.

Do ponto de vista do leitor, o primeiro ponto de virada é a última porta de entrada da história.

Caso, até aqui, ele não se envolva em algum nível com o conflito do personagem (ou pelo menos com o estilo do escritor), as chances do leitor abandonar o texto aumentam consideravelmente.

Um ponto de virada pode ser causado por uma DECISÃO que o protagonista toma (por exemplo, viajar para uma ilha deserta) ou pode ser resultado de uma COINCIDÊNCIA aleatória que foge do controle do personagem (por exemplo, um acidente de carro). Em ambos os casos, o ideal é que você introduza o primeiro ponto de virada o mais cedo possível no enredo, mas não antes de tal acontecimento poder envolver o leitor, provocar empatia com o drama do personagem e despertar sua curiosidade sobre o que acontecerá na sequência.

Em cada história, esse momento é diferente. Ele pode acontecer na primeira linha do texto – caso o drama da situação em que o protagonista se encontra seja imediatamente compreensível, despertando empatia imediata do leitor – ou pode acontecer na vigésima página da narrativa – caso um entendimento do universo de ficção e do contexto de vida do personagem sejam imprescindíveis para que o leitor dê significado para o ponto de virada.